sábado, 7 de outubro de 2017

Primavera no ar!

Tempo esquentando e vamos preparando nova remessa. Inicio de setembro fizemos nossa 21 remessa  e agora estamos começando a fazer a primeira queima e esmaltar as peças em biscoito para fazer a queima final. Processo lento mas prazeroso...





Nova série sendo preparada!

Enquanto preparamos mais novidades vamos observando o que está a nossa volta. Muita cor e luz!



Nosso atelier de portas/janelas abertas!







domingo, 1 de outubro de 2017

Retomando nosso percurso

Agora já podemos respirar mais tranquilamente e retomar nossa produção.
Pensamos em criar um espaço de trabalho mas também de trocas e conversas com todos que chegam aqui.
Esperamos que gostem!

Ao lado do certificado do Maurilio recebido do IQS (Instituto de Qualidade Sustentável) colocamos uma pintura em porcelana feita por sua mãe, Maria de Lourdes Costa Souza. Aposto que ela não imaginaria que seu filho após anos de dedicação a física fosse trilhar o caminho da escultura e da cerâmica. 

nosso show room

espaço reservado para modelagem e queima das peças.



Atelier aberto. Aguardamos sua visita!



segunda-feira, 14 de agosto de 2017

O retrato da Zizinha

Vale registrar aqui um pouco do retrato que está em nosso show room e que mostra a Dona Zizinha, sua casa ao fundo e o esboço que fiz da planta da casa que ela morava.




Dona Geralda Silveira do Carmo - Zizinha

Apareçam para conhecer nosso novo espaço!



sábado, 12 de agosto de 2017

128 "Casa da Zizinha"

CASA DA ZIZINHA
Dona Geralda Silveira do Carmo foi a antiga moradora desse terreno e era chamada de ZIZINHA. Todo muito quando ia visita-la falava: vamos lá na “casa da Zizinha”.
Nossa homenagem a Zizinha também é uma maneira de resgatar sua história.
Quando menina Zizinha lavava roupas lá no Chafariz, na época só tinham a água da serra para utilizar em casa. Foi mãe de seis filhos, um morreu pequeno. Trabalhou durante muitos anos numa casa de família nesse mesmo bairro, cascalho, e lá sua atividade principal era cozinhar. Foi uma ótima cozinheira. Era analfabeta, mas fazia conta muito bem.
Era flamenguista doente e gostava muito de música sertaneja.
Gostava muito de política, era atuante no PMDB, e na época de campanha política punha seu vestido vermelho, um lacinho na cabeça, uma bandeirinha e saia fazendo campanha.
Era muito católica, devota do Pai Eterno. Tinha um cachorro vira-lata chamado “menino”, era boa parceira dos vizinhos, parentes e amigos.

Nossa homenagem especial a Zizinha.

11 de agosto de 2017
Rose Valverde